[ editar artigo]

Mandala Lunar: Um método para o autoconhecimento feminino (Parte 2)

Mandala Lunar: Um método para o autoconhecimento feminino (Parte 2)

    Estamos sob o céu escuro sem luar, vivendo o último ciclo de nosso satélite natural que nos circunda e envolve.
    A Lua Nova traz a energia de recolhimento da Anciã, e é também relacionada com a fase menstrual. Uma boa dica para quem quer usar a Mandala Lunar, é começar a preenchê-la no primeiro dia de menstruação, pois ficará mais fácil reconhecer em que parte do ciclo você está. Lembrando que nem sempre sua lua interna está sincronizada com a lua que vemos no céu, e você pode menstruar em qualquer fase da lua. Falo sobre isso no post anterior,  se você ainda não conferiu, clica aqui

    Mas vamos ao que interessa, como funciona a Mandala Lunar? 

    Utilizamos as cores para estabelecer e visualizar  oscilações de humor , de sensações e de aspectos que você decidiu observar sobre si mesma. Para isso, atribua uma legenda a cada cor. É importante usar as mesmas cores durante o ano para um melhor automonitoramento visual. 

    Você também irá criar símbolos  para marcar o ritmo de coisas que acontecem pontualmente ao longo do seu ciclo. Os símbolos são úteis para registrar suas percepções físicas, psíquicas, emocionais, suas atividades e ações, enfim, tudo que você faz e sente com frequência.

    Com essas informações, faça um marca páginas semelhante à este (lembrando que você pode criar as legendas e os símbolos livremente, de acordo com os aspectos que você quer estudar sobre si.) 


  

    O anel central da mandala é utilizado para colorir de vermelho os dias de sangramento e de outra cor os dias em que você perceber seu fluído cervical. Pintando com um lápis de cor (aplicando mais ou menos pressão na ponta) é possível denotar a intensidade do fluxo como muito fluído, algum fluído ou pouco fluído. A mesma coisa para os dias de sangramento. 

    Ao fim do mês, sua mandala se parecerá com isto:

    O ideal é fazer a mandala durante no mínimo três meses, para perceber melhor as variações e suas causas e efeitos, e com esta noção do seu ciclo, é possível relacioná-lo com as energias que cada luar traz. 
Toda esta consciência nos traz o poder de integrar o externo e o interno, nos completamos e equilibramos com a força do Sagrado Feminino.

    Espero que este ensinamento tenha sido elucidativo e que tenha ajudado alguma de vocês em seu processo de autoconhecimento. Para o download da imagem da Mandala, clique aqui. 

 

     Beijinhos!
 

Comunidade do Estágio
Juliana Portela
Juliana Portela Seguir

Colunista oficial da AU, fotógrafa e graduanda em Som e Imagem.

Ler conteúdo completo
Indicados para você