[ editar artigo]

Caro, leitor

Caro, leitor

Hoje é dia de resenha.

Querido, leitor. Estou aqui para fazer algumas provocações. Dos livros que você já leu quantos deles são escritos por mulheres? Quantos são escritos por autores negros? Ou quantos deles são escritos por autores nacionais? Ou quantos deles são escritos por mulheres negras e brasileiras?

Bom, vamos logo ao que interessa e vou apresentar algumas indicações de livros.

Na minha pele – Lázaro Ramos

Conta um pouco da trajetória de vida do autor, desde sua infância, passando pela escola, pelas escolhas profissionais, vida conjugal e tudo isso a partir da ótica de um homem negro. Apesar de fazer essa apresentação o livro não é sobre a sua carreira no cinema e televisão, vai muito além. Vai falar sobre racismo estrutural, repressão, representatividade nos meios de comunicação. A sensação de como é ser a única pessoa negra presente em certos espaços e como é ser usado de exemplo, quando na verdade é exceção. Sem cair em estereótipos, ou no discurso: “Se eu consegui, qualquer um pode”. O livro faz reflexões sobre o que passar para os filhos e o medo de saber que não é possível evitar certas situações na vida por serem pessoas negras. 

 

Pequeno Manual Antirracista – Djamila Ribeiro

Uma verdadeira utilidade pública. É um livro quase didático e que cumpre exatamente o que promete. Vai te pegar pela mão e ensinar além de como não ser uma pessoa racista e sim ANTIRRACISTA.

É construído um passo a passo:

·         Introdução; vai explicar como a nossa sociedade foi construída e moldada até chegar ao ponto em que estamos.

·         Vai explicar o que é o racismo e como funciona.

·         Vai te ensinar a enxergar a negritude. “Não há crime maior do que destituir um ser humano de sua própria humanidade reduzindo-o á condição de objeto.”

·         Reconheça os privilégios da branquitude.

·         Perceba o racismo internalizado em você. Sim, você é racista.

·         Apoie políticas educacionais afirmativas, não é sobre capacidade e sim sobre oportunidades.

·         Transforme seu ambiente de trabalho.

·         Leia autores negros.

Alguns pontos podem até ser “óbvios”, mas a estratégia é justamente essa. Se é “óbvio” porque é que tão pouca gente reconhece? Porque é tão pouco falado ou exercitado? Não adianta só saber. Você tem que agir.

Djamila Ribeiro é feminista negra, escritora, filósofa e acadêmica brasileira. É um dos maiores nomes do ativismo negro da atualidade. Autora do livros: Lugar de fala, Quem tem medo do feminismo negro?, Pequeno Manuel Antirracista.

 

Olhos d’água – Conceição Evaristo

É uma coletânea de 15 contos curtos. É um livro com uma linguagem quase poética, mas é curto e grosso. Vai retratar a realidade de homens, mulheres e crianças moradoras de comunidades. Vai falar sobre o que ninguém mais quer falar. Não vá esperando final feliz. É um livro que pode te despertar muitas sensações, pode ter gatilho, pode até tirar seu sorriso, embrulhar o estômago ou te fazer chorar junto.

Conceição Evaristo é uma mulher, negra, de origem humilde, mineira, trabalhou como empregada doméstica durante muitos anos. Em 1973, veio para o Rio de Janeiro cursar Letras na UFRJ e foi a primeira pessoa em sua família a conseguir um diploma universitário. Hoje é escritora e acadêmica.

Obras: Olhos d’água, Ponciá Vicêncio, Becos da Memória, entre outras.

 

Para quem gostou desse conteúdo, fica a recomendação de um texto exaltando mulheres na literatura: https://comunidadedoestagio.com/blog/inspiracoes

 

Comunidade do Estágio
MaJu Deolindo
MaJu Deolindo Seguir

Olá, meu nome é Maria Julia, tenho 22 anos sou estudante de economia e uma leitora assídua.

Ler conteúdo completo
Indicados para você