[ editar artigo]

Será que devo confiar na minha intuição? - Resuminhos #02

Será que devo confiar na minha intuição? - Resuminhos #02

 

Durante nossas vidas ouvimos tanto que devemos pensar racionalmente e não nos deixar levar pelas emoções.

Mas e a tal da intuição, será que podemos confiar nela?

No livro Blink, o autor Malcolm Gladwell discorre algumas histórias para nos demonstrar que existem situações que podemos sim confiar em nossa intuição.

Ai você deve estar se perguntando:

"Tá, mas qual são elas?"

 


 

Quando posso confiar em minha intuição?

 

Em situações que temos uma grande gama de experiências e conhecimento, podemos confiar no poder da nossa intuição, da nossa decisão subconsciente.

Uma história que ilustra bem isso foi a de que ao se deparar com uma estátua que poderia ser uma das poucas existentes da Antiguidade, um museu conduziu uma investigação longa num período de 14 meses

Após essa investigação concluiu-se que era verdadeira.

Mas ao ser exibida e vista por alguns experts da área da história da arte e história grega, eles perceberam intuitivamente que existia algo errado com a peça.

E depois de uma análise posterior foi comprovado de que de fato eles haviam pago 10 milhões de dólares por uma estátua falsa.

 

Um estudo que nos ajuda a entender essa capacidade de "thin-slicing", fatiar as informações em pequenas parcelas, filtrando as superficiais e focando na essência.

Partiu-se de um estudo em que através da análise dos 15 primeiros segundos de interação entre um casal, poderia-se prever se eles estariam juntos ou não daqui a 15 anos com uma boa chance de acerto.

 


 

Mas tome cuidado!

 

Já em situações em que pode ser prejudicial essa escolha instantânea, em que existem pré-conceitos ou preconceitos muito enraizados no subconsciente das pessoas, devemos nos utilizar de formas que filtrem informações que possam levar a julgamentos errôneos.

Uma escolha que pode mudar o rumo de uma nação, foi o exemplo que o autor nos trouxe para demonstrar isso:

Durante uma eleição americana, havia um candidato que passava a imagem de alguém que poderia ser presidente ("presidenciável"), pendendo para o preconceito de um homem branco "cabendo" para um papel de liderança.

Ele acabou sendo eleito, mas além da imagem presidencial que passava, nada mais em seu mandato comprovou essa visão que as pessoas tiveram dele, sendo considerado um dos piores presidentes da história.

O presidente Warren G. Harding dos EUA.

 


 

Resumidamente temos então que:

  • Podemos confiar em nossa intuição em situações que temos uma gama de experiências e conhecimento, pois nosso subconsciente acaba focando na essência ao filtrar as informações superficiais.

  • Devemos tomar cuidado em situações que pré-conceitos ou preconceitos podem influenciar nossa capacidade de julgamento, necessitando assim uma investigação mais aprofundada.

 

E aí, gostaram dos questionamentos e histórias? Fizeram sentido para ti?

Me contem aí nos comentários!

Até a próxima, abraços! Fui!

Comunidade do Estágio
Carlos Hung
Carlos Hung Seguir

Colunista Oficial - "Acredito muito que a educação transforma e emancipa as pessoas e no potencial infinito de todes, eu sou químico/agilista/prof de inglês/marketeiro/interessado em pedagogia, bora trocar uma ideia e expandir nossos horizontes?"

Ler conteúdo completo
Indicados para você