[ editar artigo]

O Design Thinking para soluções em TI - Parte I

O Design Thinking para soluções em TI - Parte I

(Esse texto é a primeira parte de uma série de 3 textos.)

 

O desenvolvimento de soluções em TI

Para o público em geral, a programação seria a parte mais importante do processo de desenvolvimento de soluções em TI (sistemas, aplicativos, etc). Contudo, isso está bem longe de ser verdade. Mesmo que a equipe de desenvolvedores (Dev’s) tenha uma excelente capacidade técnica, é necessário muito mais do que isso para se ter sucesso no projeto e no desenvolvimento de um sistema/aplicação. O processo de criação de uma solução em TI envolve muito etapas, além da codificação, sendo as principais o planejamento, a construção, a implantação e a avaliação e manutenção.

Nesse contexto, o Design Thinking pode ser utilizado para a execução de todo processo de criação e desenvolvimento de uma solução em TI. A sua abordagem em fases se assemelha muito às fases naturais de desenvolvimento de softwares e aplicativos. 

Assim, a abordagem do DESIGN THINKING pode ser muito útil para dar suporte ao desenvolvimento da solução, ampliando a capacidade inovativa da equipe e promovendo decisões mais assertivas no que tange à satisfação das necessidades e resolução das dores do cliente. Quer entender melhor? Vem comigo!

 

O que é o Design Thinking?

Segundo o Portal da Rock Content (2020), "Design Thinking é o termo utilizado para se referir ao processo de pensamento crítico e criativo, possibilitando a organização de ideias de modo a estimular tomadas de decisão e a busca por conhecimento. Não se trata de um método específico, mas sim de uma forma de abordagem."

Ou seja, o Design Thinking vai além de uma metodologia, ele pode ser entendido como uma estrutura de trabalho ou um framework. Sua abordagem tem o foco voltado para a inovação e permite um uso maior da criatividade da equipe no desenvolvimento de produtos e serviços para os clientes.

 

As fases do Design Thinking

O Design Thinking é separado, fundamentalmente, em 4 fases:

1- Imersão/Exploração: Fase onde se reúnem todos os dados e informações pertinentes sobre o problema;

2- Ideação: Fase onde se idealiza as soluções de forma colaborativa;

3- Prototipação: Fase onde se prototipa a solução escolhida;

4- Teste/Validação: Fase onde se valida as hipóteses levantadas na imersão através do teste empírico do protótipo criado na fase anterior.

Existem outros modos de se organizar o Design Thinking que resultam em 5 ou 7 fases, mas são apenas formas diferentes de se enxergar a mesma coisa. Afinal, todo o processo é fundamentado em 3 pilares (exploração, criação e experimentação) e as fases são justamente suas ramificações. Didaticamente, a separação em 4 fases, ou etapas, facilita o entendimento.

 

Continua…

E aí, o que achou do Design Thinking? Ele é um dos modelos mais utilizados na criação de produtos e serviços inovadores em vários setores e segmentos. Vale muito a pena conhecê-lo! No próximo texto da série, vamos entender melhor os motivos para sua utilização e como utilizá-lo. Até lá!

 

Referências

ROCK Content – Design Thinking: uma forma inovadora de pensar e resolver problemas, 2020. Disponível em: <https://rockcontent.com/br/blog/design-thinking/>. Acesso em 02 de set. de 2020.

 

VIANNA, M.; VIANNA, Y.; ADLER, I. K.; LUCENA, B.; RUSSO, B. Design Thinking: Inovação em Negócios. 2ª Edição. Rio de Janeiro: MJV Press, 2012.

Comunidade do Estágio
Marcelo F Fortunato Jr
Marcelo F Fortunato Jr Seguir

Colunista Oficial da Comunidade do Estágio. https://about.me/marcelo.jr

Ler conteúdo completo
Indicados para você