Atividades
  • Notificações
  • Tags
  • Favoritos
Nenhuma notificação

Kamala Harris: Moda e Política

Kamala Harris: Moda e Política
Gyan Carlos
jan. 22 - 8 min de leitura
0 Curtidas
0 Comentários
0

Na última quarta-feira, dia 20 de Janeiro, aconteceu a cerimônia de posse de Joe Biden, como o 46º Presidente dos Estados Unidos, tornando-se o assunto mais comentado na Internet. Além do momento histórico para a Democracia americana, após a invasão ao Capitólio, no início do mês, pelos apoiadores do ex-presidente Donald Trump e seus constantes ataques à veracidade do resultado das eleições; o assunto que gerou bastante discussão nas mídias sociais e matérias em veículos de comunicação foram as escolhas de looks da mulheres envolvidas na cerimônia, em especial, o look da primeira mulher vice-presidente do país norte-americano, Kamala Harris.

Da esquerda para direita, Douglas Emhoff, Kamala Harris, Jill Biden e Joe Biden

Kamala vem demonstrando, ao longo de toda a campanha eleitoral, entender que vestir-se é um ato político e que a Moda é uma poderosa ferramenta de comunicação, desde o uso de tênis durante toda campanha, até o look todo branco, usado em seu discurso após a confirmação da vitória do Partido Democrata nas eleições. Na cerimônia de posse como a primeira mulher negra a ocupar o cargo de vice-presidente, Harris escolheu um look roxo monocromático, assinado pelo jovem Christopher John Rogers, estilista negro, vencedor do CFDA, na categoria "Designer Emergente do Ano", em 2019; complementando com sua marca registrada, um colar de pérolas desenhado pelo porto-riquenho Wilfredo Rosado, em referência à história do Alpha Kappa Alpha, irmandade negra, ao qual ela se juntou, quando estudou na Howard University. Após a aparição da vice-presidente, diversas mulheres americanas postaram fotos nas mídias sociais, usando colares de pérolas, em sua homenagem.

Michelle Obama e Hillary Clinton acompanharam Kamala e escolheram o roxo para a cerimônia. Michelle vestiu Sergio Hudson, estilista negro da Carolina do Norte e Hillary optou por um terno Ralph Lauren. A escolha por usarem roxo foi interpretada pela mídia como uma forma de comunicar a intenção de unir Democratas e Republicanos, por representar a junção das cores vermelho e azul. É, historicamente, conhecido que nas cerimônias de posse, Democratas usam azul e Republicanos, vermelho. Seguindo esse pensamento, a primeira-dama, Drª Jill Biden, optou por um look azul monocromático, revestido de cristais Swarovski, criação da designer emergente, Alexandra O'Neill, nascida em Colorado.

Michelle Obama e Hillary Clinton, na posse de Joe Biden e Kamala Harris

Na noite, anterior, em uma cerimônia realizada em homenagem aos 400 mil mortos pela Covid-19 nos Estados Unidos, Drª Biden optou pelo roxo, vestindo um look assinado pelo designer independente de Nova York, Jonathan Cohen, conhecido pela sua moda sustentável. Nessa cerimônia, Kamala Harris escolheu um look Pyer Moss, do designer negro, de origem haitiana-americana, Kerby Jean-Raymond. Em todas as aparições públicas, todos os participantes das cerimônias usaram máscaras - na maioria das vezes, combinando com os looks - comunicando a importância de usar o equipamento de proteção.

O roxo, além de comunicar o bipartidarismo, também tem um significado feminista e pessoal para Kamala. A cor também foi escolhida como homenagem à Shirley Chisholm, inspiração para Harris na carreira política, por ter sido a primeira mulher negra a assumir um cargo no Congresso americano, em 1968 e a concorrer à presidência dos Estados Unidos, em 1972. Não foi a primeira vez que Kamala escolheu o roxo para homenagear Shirley. Segundo Abby Phillip, da CNN, a vice-presidente lançou sua campanha presidencial, usando roxo e amarelo, pelo mesmo motivo.

A combinação terno e tênis Converse

Kamala Harris, durante a campanha eleitoral, na Flórida

Contrariando toda a noção de que para ser uma candidata à vice-presidência é preciso que uma mulher esteja usando trajes formais e saltos altos, Kamala Harris, desde o início da sua campanha, escolheu como look – que tornou-se sua marca – blazer, calças jeans skinny e tênis, especificamente, o Chuck Taylor All Star da Converse.

Obviamente, a escolha de usar tênis em aparições públicas e eventos, não é mera coincidência e ingenuidade - senão, nem estaria sendo pauta deste texto. Harris sabia que ao escolher esse look, estaria se aproximando do público jovem, desconstruindo a ideia de que para ser uma política é preciso estar sempre em trajes formais. Kamala já até apareceu vestindo uma jaqueta com as cores do arco-íris para se aproximar da comunidade LGBTQIA+ e demonstrar apoio.

Em entrevista ao The Cut, Kamala contou que corre por aeroportos, atravessa o país e resolve todo o seu dia calçando um tênis, demonstrando que ao optar pelo conforto, é uma mulher de ação, que quer praticidade para trabalhar e fazer as coisas acontecerem.

O look de Kamala Harris tornou-se tão marcante, que foi o escolhido para estampar sua primeira capa, na edição de Fevereiro da Vogue América (à direita). Fotografada por Tyler Mitchell, primeiro - e único - fotógrafo negro a assinar uma capa para a Vogue americana, Kamala aparece de terno e tênis Converse, num fundo rosa e verde, cores da irmandade a qual fez parte na Universidade. A capa não foi recebida de forma positiva pelo público nas mídias sociais. A principal crítica foi sobre a informalidade da capa, que de certa forma, diminui a grandiosidade da mulher mais poderosa dos Estados Unidos. Em resposta, a Vogue lançou uma segunda capa (à esquerda), com Kamala vestindo um terno azul claro da marca Michael Kors, com uma pose mais clássica e formal, porém, apenas para a versão digital da edição.

Kamala Harris nas capas da edição de Fevereiro da Vogue 

Terno Branco e Movimento Sufragista

Como nada é por acaso quando se trata de Kamala Harris e seus looks, não poderia ser diferente no dia do seu primeiro discurso, após a declaração de vitória dos Democratas nas eleições. No dia 7 de Novembro, Kamala subiu ao palco, em Wilmington, Delware, para discursar, como então eleita vice-presidente, vestindo um terninho branco, da marca Carolina Herrera, criada pela estilista venezuelana e imigrante, que dá nome à marca. A escolha da cor não foi por acaso, o branco foi o símbolo da luta pelos direitos da mulher desde que, em 1913, o National Women’s Party o escolheu, juntamente, com o dourado e o roxo para compor a bandeira do Movimento Sufragista, responsável pela conquista do voto feminino em 1920.

Kamala Harris, em Delware, no dia da declaração da vitória dos Democratas

A cor branca fez parte de diversos momentos políticos liderados por mulheres. Em 1978, lideradas por Betty Friedan e Gloria Steinem, milhares de mulheres vestidas de branco marcharam, em Washington, para apoiar a Emenda pela Igualdade de Direitos. Em 1984, Geraldine Ferraro, a primeira candidata à vice-presidência dos EUA, escolheu um terno branco, quando aceitou a nomeação do Partido Democrata. Em 2016, Hillary Clinton escolheu a mesma cor, ao assumir a concorrência para presidência, vestindo um modelo Ralph Lauren.

Mais recentemente, em Fevereiro de 2020, as democratas da Câmara de Representantes, com o propósito de reivindicarem a igualdade de gênero, vestiram branco no discurso do Estado da União. Ao anunciar que apresentaria acusações contra Donald Trump, a presidenta Nancy Pelosi, também optou pelo terno branco, assim como, Alexandria Ocasio-Cortez, na capa da Vanity Fair.

Com Kamala e todas essas mulheres, o terno branco tornou-se símbolo de empoderamento feminino e político.

Kamala Harris já provou que entende de História da Moda, do poder da comunicação por meio das roupas e que tem em mãos uma poderosa ferramenta para comunicar com os americanos. Muito além disso, demonstra entender que nas suas escolhas de vestuário, ela pode enaltecer e dar visibilidade a artistas negros, LGTQIA+ e imigrantes, unir e empoderar mulheres na construção de um país mais justo e igualitário, que enxerga no feminino, o poder de mudança.

 

 

 


Denunciar publicação
0 Curtidas
0 Comentários
0
0 respostas

Indicados para você