Atividades
  • Notificações
  • Tags
  • Favoritos
Nenhuma notificação

Diga sim à sua voz

Diga sim à sua voz
Pedro Henrique Ribeiro
ago. 9 - 7 min de leitura
3 Curtidas
1 Comentários
0

Hábitos fazem parte da nossa vida, sejam eles positivos, como exercícios pela manhã, ou negativos, como procrastinar de forma intermitente. Embora tão ligados a nossa personalidade, nossos hábitos não são inatos ou genéticos, eles são adquiridos ao longo da vida, tornando-se mais fácil lidar com eles, menos sofrido, eu diria. Como um apreciador do sono, não digo que acordar cedo para se exercitar se torne divertido, mas ao longo do tempo fica suportável. O ponto talvez seja esse, desagradáveis ou não, hábitos são o tipo de coisa que nos fazem ficar confortáveis em nossas bolhas.

Enquanto professor do ensino básico, algo que aprendi foi dizer "não", essas negativas, muitas vezes, são para a sobrevivência da própria criança. Em um dia, há algum tempo, enquanto eu me dividia entre corrigir exercícios de um aluno ao mesmo tempo que explicava a matéria a outro aluno, um terceiro aluno disse "Pedro" e imediatamente, talvez pelo cansaço, certamente por hábito, eu apenas disse "Não!". Neguei sem pensar duas vezes e sem arrependimento. Mas neguei o quê? Neguei o quê a quem? Porque até hoje, não sei com clareza quem era o aluno.

Naquele dia, voltei para casa refletindo na minha conduta, não exatamente em ter negado, dizer "não" faz parte do trabalho, faz parte de lidar com pessoas diariamente, o que despertou a reflexão foi ter negado sem ouvir e como isso pode se tornar um hábito em nossas vidas. Um hábito extremamente confortável e aconchegante, como um ninho.

"Não" e "Sim" são as duas palavras que movem nosso mundo. Garanto que Steve Jobs jamais teria fundado a Apple se não tivesse dito não à faculdade, esse "não" permitiu que ele revolucionasse o mercado tecnológico da época com a linha Macintosh, mas certamente, se ele não tivesse dito "sim" a recomeçar do zero com a Pixar, jamais teria retornado, anos depois, à Apple, para revolucionar novamente o mercado tecnológico, dessa vez, lançando Ipod, Ipad e Iphone.

Usando o exemplo do Steve Jobs, quero dizer que algo muito potente ocorre quando dizemos "sim" as oportunidades que aparecem em nosso caminho: Saímos da nossa zona de conforto, abandonamos o aconchego do ninho e voamos. Mas algo incrível acontece neste voo: Caímos! Sim, caímos, despencamos, queda livre, Lost, T1: E1. Sair da zona de conforto, por mais belo e inspirador que seja, não é fácil, sair do conforto significa cair, significa sentir dor, significa sentir coisas desagradáveis, afinal, se nunca nos permitimos voar antes, não sabemos direito como bater as asas, cair faz parte do aprendizado, sentir a dor, infelizmente, também faz parte do processo. Mas ainda que seja difícil, ainda estamos nos movendo, ainda estamos batendo as asas, ainda sentimos o vento e o sol batendo no rosto, estamos voando, estamos aprendendo a voar, estamos sendo livres, estamos dizendo cada vez mais alto "SIM!".

Deixa-me dizer algo importante sobre mim, a fins de contextualização: meu primeiro ano como calouro, coincidiu com meu primeiro ano como professor no pré-vestibular social onde estudei, no ano anterior. Inicialmente eu seria monitor, mas por uma série de imprevistos, pouco menos de um mês após o início do ano letivo e um mês antes das minhas primeiras aulas na faculdade, me tornei professor titular. Eu, que sempre fui o menino tímido e inseguro da escola, que tinha dificuldade em ensinar História aos meus amigos antes das provas, me tornei professor, responsável por gerir cem alunos, cem vidas, infinitos sonhos.

Apesar do medo, apesar do receio, apesar de considerar que haviam pessoas muito mais experientes para ensinar História do que eu, apesar de não considerar o meu saber leigo suficiente, algo maior do que tudo isso me fez ir além. Sabem o que? Saber que tinham pessoas querendo me ouvir, pessoas querendo ouvir a minha voz. De forma tímida e baixa, eu disse "sim" à minha voz e isso mudou completamente tudo. Dois anos depois, eu ainda sou o professor titular de História, fui além e me tornei Coordenador Geral do projeto social, além de ter me apaixonado completamente pela educação, por ensinar e por aprender. Voar alto, hoje em dia, me permite reconhecer meus méritos nessa caminhada, mas meu maior mérito, entre tantos, foi a coragem em dizer "Sim, eu assumo o cargo!".

Diga sim à sua voz, pode ser de uma forma tímida, como eu disse, pode ser mais forte e alta como Beyoncé e Martin Luther King Jr, pode ser mais estrategista como Steve Jobs e a Pixar, pode ser silenciosa e interna como Madre Teresa. Não importa como, diga "Sim" à sua voz, ao seu conhecimento e aos seus talentos. Tem um mundo aqui fora te esperando dizer esse "sim", tem um mundo precisando ouvir o que você tem a dizer, certamente há alguém precisando aprender o que você tem a compartilhar.

Não se acanhe, meu saber veio antes da faculdade e muitas pessoas tem saberes que faculdade nenhuma ensina. Todos nós temos algo que pode ser ensinado, todos nós somos aprendizes, ninguém evolui tanto a ponto de deixar de aprender e todo saber é válido. Posso ser muito bom em contar a história do mundo, mas não tenho um décimo do saber dos mesmos pedreiros que construíram a casa de onde escrevo este artigo, ou o conhecimento que minha avó possui quanto a plantas e seus usos terapêuticos.

Quando comecei, realmente acreditei que não fosse conseguir, realmente pensei em desistir, realmente acreditei que era jovem demais para isso, mas lembrem-se: haviam pessoas querendo ouvir a minha voz. Dizer sim a mim, dizer sim à oportunidade, também significou dizer "sim" à grandeza que elas viam em mim, significou enxergar a grandeza delas. Só enxergamos a luz refletida no espelho se essa mesma luz estiver nos iluminando. Se as pessoas te veem grande, reconheça-se como tal, mais do que se ver, isso vai te ajudar a enxergar a grandeza dos outros.

Se movimente, quebre o hábito de negar sem pensar, quebre o hábito de se negar e afirme-se. Encontre seu talento, encontre sua voz, apresente-a ao mundo, apresente-se ao mundo. Erga-se e quebre o som ensurdecedor do silêncio. Como disse Cristina Yang: "Se você quer que coisas ruins parem de acontecer, então pare de aceitar coisas ruins e passe a cobrar algo mais."

Sim às coisas boas!

Sim às oportunidades!

Sim a você!

Sim à sua voz!

Sim a ser ouvido!

Sim a voar!

Sim!


Denunciar publicação
3 Curtidas
1 Comentários
0
0 respostas

Indicados para você