Comunidade do Estágio
Comunidade do Estágio
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

"Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades": os 60 anos do Teioso e como Stan Lee não aprendeu com sua própria frase

"Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades": os 60 anos do Teioso e como Stan Lee não aprendeu com sua própria frase
João Vitor Muniz Buarque
mar. 21 - 4 min de leitura
000

Cabeça de teia, amigão da vizinhança, trigrão (mas esse só pela Mary Jane!), são muitos nomes para chamar ele: o Homem-Aranha, ou melhor, Peter Parker. Pois suas histórias não são de seu alter ego, mas sim de sua idêntidade secreta, e como ele concilia as duas coisas, que muitas vezes se misturam em um destino trágico. E ano passado o mesmo fez 60 anos!

Criado por Stan Lee e o sempre esquecido injustamente Steve Ditko, o personagem surgiu como uma história one shot da revistas “Amazing Fantasy #15”, com um enredo fantasioso e final em aberto; como um episódio da clássica série “Além da imaginação”. Era o útlimo número da revista, mas o sucesso do Aranha foi tanto que ele ganhou revista própria, e o resto é história.

Eu sempre fui fascinado por ele. Desde os filmes do Raimi até o desenho da MTV, ou do clássico dos anos 90 que eu via como reprise; meu primeiro quadrinho dele foi um que minha avó me deu e tenhoa até hoje, mas meu amor por quadrinhos cresceu apenas quando meu pai me comprou a coleção que saiu juntos com o terceiro filme de Sam Raimi, que trazia clássicas histórias do personagem, como a primeira aperição do Duende ou do Lagarto, até do Justiceiro!

Como qualquer leitor que acompanha desde pequeno o Aranha, eu tomo as dores dele. ainda mais também tendo sido um excluído no colégio. Eu, assim como ele, ainda me emociono com “a noite que Gwen Stacy morreu”. Os fãs apenas dos filmes devem conhecer ela apenas pela atuação da Emma Stone e como a Gwen-Aranha do Aranhaverso, mas ela vai além disso: a primeira namorada de Peter Parker, que teve um destino trágico (assim como tio Ben, quando as duas vidas de Parker se entrelaçam), era a queridinha dos leitores, e sua morte é sentida até os dias de hoje. Recomendo a leitura da história original, que finalizou a Era de Prata nos quadrinhos, mas também as hqs “Marvels” e “Homem-Arana: Azul”, ambas com um toque emocional sobre o tema.

Agora: Stan Lee.

O rosto da Marvel; aparilção em “Os Simpsons”, “The Big Bang Theory”. e sobretudo, no Universo Cinematográfico da Marvel. Um cara popular, não? E em parte, até uma má pessoa. Seu carisma é indiscutível, mas e se eu contasse aos fãs da Marvel, que não lêem quadrinhos, que ele é realmente uma pessoa com índole duvidosa? Eu poderia citar o que ele fez com o “deus dos quadrinhos”, Jack Kirby, mas vou me limitar ao que ele fez com Ditko, pois estamos falando do Homem-Aranha.

Lee escrevia com o “método Marvel”: ele escrevia um plot, com tudo que aconteceria na revista, e o ilustrador elaborava os detalhes, os enquadramentos e até as falas, além de ilustrar. Quem fazia o trabalho pesado? E quem saía ganhando? Naquele tempo os ilustradores nçao possuíam o devido reconhecimento. Foi o Ditko que elaborou o design do uniforme! Mas quem aparece nos filmes? Ditko morreu há alguns anos, no anonimato, trabalhando em quadrinhos underground.

“Com grandes poders, vem grandes responsabilidades”. Não foi o tio Ben que disse isso originalmente, quem elaborou foi Stan Lee. Mas ele se isentou de suas responsabilidades com seus grandes poderes na Marvel.

O Homem-Aranha, Peter Parker, talvez seja o herói mais conhecido de todos, talvez batendo de frente apenas com o primeiro super herói: Super-Homem. Mas de uns anos pra cá, com certeza é o mais popular por conta dos filmes. Apesar da popularidade do gênero de super heróis, a mídia da nona arte está em declínio. É preciso repensar o mercado de quadrinhos para que não morra, ainda mais no Brasil, onde a demanda de um pequeno público, mas que está disposto a gastar, fez com que os quadrinhos se tornassem um produto premium, ou seja, fora da realidade das massas. É preciso “furar a bolha”.

Quadrinhos são arte, e cultura. E o Aranha é um dos expoentes dessa mídia. Leiam mais quadrinhos. Não deixem Pedro Prado morrer (essa é para os fãs!).



Denunciar publicação
    000

    Indicados para você