[ editar artigo]

AAAAAAUUUUU! Arriscando a própria pele.

AAAAAAUUUUU! Arriscando a própria pele.

   Reclamar do chefe, quem nunca? E ter aquela ideia de negócio disruptivo que vai mudar o mundo, quem nunca também? Nós jovens somos protagonistas de momentos extremos, rompantes absurdos, busca pela autoafirmação e acima de tudo LIBERDADE. Baseado nisso, trago um trecho adaptado e uma reflexão do livro “Arriscando a própria pele” do Nassim Nicholas Taleb.

“A Liberdade nunca é de graça”

“Um cão se gaba para um lobo faminto: - Dá uma olhada nessa ração de picanha aqui, e olha essa caminha estampada com aquecimento, olha esse ossinho que pisca e apita quando eu mordo.

O lobo olha tudo e repara em uma marca sobre o pescoço do doguinho e o questiona: - E qual é desse pelinho desgastado aí no seu pescoço?

E o cão responde ainda se gabando: - É a coleira que eu preciso usar aqui dentro dessa casa MA-RA-VI-LHO-SA.

O lobo vira as costas imediatamente e fala:

- Cê é loko cachorreira, prefiro minha liberdade"

 

   Óbvio que o texto não foi escrito com essas palavras, mas traz a mesma ideia de que não existe almoço grátis. No conto original datado do século quinto, os personagens são diferentes, mas tem o mesmo desenrolo e com um final muito, mas muito trágico! [PAUSA DRAMÁTICA]. No momento em que o lobo sai de perto do cachorro e volta para sua jornada, um Leão, uma criatura muito mais forte o abocanha e acaba de vez com sua liberdade.

 

Bem-vinde ao empreendedorismo!

   Empreender é muito mais do que histórias de sucesso e unicórnios, requer muita disciplina, muito trabalho, planejamento, e disposição de correr risco; A liberdade é o maior poder e recompensa do empreendedorismo e “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”, dedicar-se ao seu negócio, abdicar de uma carreira com mais segurança, lidar com frustrações de resultados abaixo do esperado, tudo isso é parte do preço da liberdade, e como diz o Jota Quest “A nossa liberdade é o que nos prende”, e prende sim, a jornada de trabalho de um empresário chega a ser 63% maior do que de um trabalhador assalariado (fonte: https://realbusiness.co.uk/entrepreneurs-work-63-longer-than-average-workers/).

   Essa analogia serve muito para as pessoas que estão se formando em especialidades onde é possível empreender, aliás, hoje é possível empreender em qualquer área. E o que significa ser cachorro?  Isso é ruim? Não, ser cachorro é ser uma pessoa corporativa, voltada para um mundo mais seguro de negócios, assalariado e com vínculos assegurados, logo um menor risco.

"Mas aí você está falando de empreendedorismo e arriscar a própria pele, você já empreendeu Will?" Quem vos fala é um lobo que já foi abocanhado, mas que continua a vida em busca de uma liberdade pra um dia poder cantar "Eu não sou cachorro não". 

A pergunta que fica é: O que você gostaria de ser? Um lobo ou um cachorro?

Recomendação de leitura: Arriscando a própria pele - Nassim Nicholas Taleb

Independent Nbc GIF by Brooklyn Nine-Nine

Comunidade do Estágio
William Devillart
William Devillart Seguir

Estudante de contabilidade, analista financeiro, especialista em investimentos e agora colunista da AU. Tenho como hobby jogos de tabuleiro moderno, escrever e cozinhar. Sigo em busca de todo o conhecimento do mundo desde culinária até I.A.

Ler conteúdo completo
Indicados para você